Câmara de Curitiba confirma prioridade à mulher em situação de violência

Projeto de Carol Dartora desburocratiza o acesso a procedimentos administrativos e garante agilidade e eficiência na aplicação da Lei Maria da Penha

A Câmara Municipal de Curitiba (CMC) ratificou, nesta segunda-feira (4), projeto de lei para que a mulher em situação de violência seja priorizada na tramitação de procedimentos administrativos que dependem da Prefeitura de Curitiba. De iniciativa da vereadora Carol Dartora (PT), a proposta recebeu 32 votos favoráveis (005.00077.2021) no segundo turno de votação.

Dartora reforçou que o objetivo é desburocratizar e dar agilidade à solução de demandas como a pedidos de transferência entre creches ou escolas públicas, assegurando celeridade e eficiência na aplicação da Lei Maria da Penha. “Que elas tenham essa prioridade no atendimento para agilizar [os trâmites] e elas possam sair o mais rápido possível de situações de violência. E que a gente evite, dessa forma, feminicídios”, afirmou.

Para solicitar o benefício, a mulher em situação de violência doméstica e familiar teria que apresentar cópias do boletim de ocorrência ou de outro documento expedido pela Delegacia da Mulher; do exame de corpo delito; e da queixa-crime ou do pedido de medida provisória.

Conforme a proposta de lei, a documentação comprobatória seria válida pelo prazo de dois anos. Depois desse período, caso o processo não tenha transitado em julgado ou a mulher continue sob medida protetiva, seria feita uma nova solicitação. Se sancionada pelo prefeito, a lei entrará em vigor 90 dias após a publicação no Diário Oficial do Município (DOM).

Ocorrências diárias

Em Curitiba, a Patrulha Maria da Penha (PMP) atende em média cinco ocorrências diárias de violência contra a mulher, segundo dados divulgados pelo município. De acordo com a prefeitura, atualmente cerca de nove mil mulheres sob medidas protetivas estão recebendo acompanhamento da Patrulha Maria da Penha na capital.

Na avaliação da vereadora, a maior parte das agressões são praticadas por pessoas com quem a mulher possui vínculos e acontecem dentro de casa. De acordo com a pesquisa “Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher — 2021”, realizada pelo Instituto DataSenado, em parceria com o Observatório da Mulher contra a Violência, 68% das entrevistadas conhecem uma ou mais mulheres em situação de violência. Já 27% das mulheres ouvidas declararam já ter sofrido algum tipo de agressão por um homem. Dessas, 18% convivem com o agressor.

Para Carol Dartora, esse e outros números reforçam a necessidade do projeto. Ela acredita que garantir maior eficiência e agilidade na solução das demandas da pessoa em situação de violência doméstica ou familiar é imprescindível também para redução dos casos de violência e do número de feminicídios.

Foto: QuemTV

Tramitação

Protocolado em março de 2021, o projeto de lei foi aprovado pelos membros da Comissão de Constituição e Justiça e também passou por debate nas comissões de Serviço Público e de Direitos Humanos da CMC. Na primeira discussão do projeto, na última quarta (30), foi aprovado por unanimidade dos vereadores.

Com informações da Câmara Municipal de Curitiba.

Leia também

Address
304 North Cardinal St.
Dorchester Center, MA 02124

Work Hours
Monday to Friday: 7AM - 7PM
Weekend: 10AM - 5PM